* As tarifas, ofertas e condições apresentadas podem sofrer alteração sem aviso prévio.

Plantação de cajá manga no cerrado goiano

Se você está planejando conhecer Goiás, tenha em mente que, provavelmente, você será fisgado pelos pratos típicos do estado! A gente por aqui costuma falar bastante sobre festas, tradições culturais e lugares cheios de mistérios e natureza, mas nada melhor do que misturar tudo isso com um toquezinho de sabor, né?

O motivo da gastronomia goiana ser tão rica e irresistível, é principalmente pela região. No cerrado goiano - o segundo maior bioma do Brasil - você encontra mais do que paisagens marcantes e o clima quente, mas também suas frutas únicas e saborosas!

E pra te ajudar a chegar por aqui e já saber o que experimentar primeiro, vamos explorar juntos as maravilhas que a natureza oferece por lá. Afinal, há muito mais do que pitanga e pequi para você curtir!

A riqueza natural do estado encanta

Quando estiver explorando o turismo em Goiás vai perceber que a região conta com uma riqueza natural que vai muito além de suas fronteiras geográficas! O cerrado goiano é extremamente fértil, o que faz com que tudo fique mais gostoso.

Sua vegetação típica, neste pedacinho do Planalto Central, forma frutas de sabores únicos, que desafiam secas intensas e o sol escaldante. O resultado? Polpas suculentas e cheias de nutrientes! E o legal é que, pelas tradições históricas de Goiás, diversas frutas do cerrado foram incorporadas às receitas deliciosas que você precisa experimentar, viu?

Confira algumas frutas únicas da região:

Preparado para se aventurar pelos sabores do cerrado goiano? Embarque com a gente nessa jornada deliciosa e descubra algumas das frutas que enriquecem a gastronomia local.

Olha, já adiantamos que a natureza caprichou, e agora é a sua vez de curtir cada sabor que ela oferece!

Está preparado? Vamos lá!

Pitanga

Foto aproximada de uma pitanga ainda presa no galho e suas folhas

Vamos falar sobre uma das estrelas do cerrado goiano: a Pitanga!

Além de ser encontrada nos cerrados, ela também está presente nos campos dos estados de Minas Gerais, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Aqui, estamos falando da Pitanga do Cerrado (Eugenia pitanga), que é um arbusto rizomatoso que atinge até 2 metros de altura. E, além da localização, o que a torna especial? A pitanga surpreende pela incrível precocidade na produção de frutos!

Desde pequenas mudas com apenas 15 cm, a Pitanga do Cerrado já começa a florescer, segurando suas frutificações de forma surpreendente. Por isso, é uma excelente opção para cultivo em vasos pequenos dentro de casa - desde que recebam uma boa dose de sol, viu?

Agora, sobre o sabor, os frutos dessa espécie são suculentos e doce-acidulados, bem semelhante à Pitanga tradicional. Caso esteja pensando em levar uma muda para casa, saiba que ela se adapta aos mais variados tipos de solo e, para garantir frutos mais adocicados, é recomendável cultivá-la sob a luz plena do sol.

Não deixe de experimentar!

Cajá-Manga

Proveniente da cajazeira, que pode alcançar impressionantes 20 metros de altura, o cajá-manga cativa paladares com sua polpa agridoce e a casca lisa e fina de coloração alaranjada.

A fruta, assim como a maioria das frutas do cerrado, carrega consigo um arsenal de nutrientes, incluindo vitaminas A e C, fibras, cálcio, fósforo e ferro. Muitas pessoas não sabem, mas a fruta é originária das Ilhas da Sociedade, no Oceano Pacífico. Porém, o cajá-manga se adaptou muito bem em todo o território brasileiro, especialmente nas regiões Norte e Nordeste.

Inclusive, talvez você já tenha experimentado a fruta ao natural ou incorporado em diversas preparações, como coquetéis, licores, sorvetes e geléias, pois o cajá-manga se destaca como uma opção versátil e deliciosa!

Pequi

Flor e fruto do pequi preso na árvore

Vamos falar sobre um dos frutos mais populares do cerrado goiano: o Pequi!

Conhecido cientificamente como Caryocar brasiliense, o fruto ganhou seu nome por conta da característica única de sua "pele espinhenta", segundo a língua Tupi. O Pequi é nativo do cerrado brasileiro, e você reconhece facilmente pela altura da árvore, assim como as folhas e uma penugem peculiar que as envolve.

Se você nunca viu, o fruto é aproximadamente do tamanho de uma maçã e apresenta uma polpa amarela, macia e extremamente saborosa! Mas aqui vai um aviso importante: a polpa está protegida por uma camada de espinhos finos por baixo. Então,o segredo para aproveitar a fruta corretamente é raspar delicadamente com os dentes até que o amarelo da polpa comece a ficar esbranquiçado, revelando os espinhos.

Nada de morder um pequi! Caso contrário, você corre o risco de ficar com a língua e o céu da boca cheios de pequenos espinhos. Não deixe de experimentar o pequi em pratos típicos como arroz com pequi. Uma delícia!

Ah! E de tão famoso, a gente tem até um artigo exclusivo sobre o pequi. Dá uma olhadinha lá para aprender mais e curtir alguns pratos típicos.

Baru

Você já teve a chance de curtir o sabor único do Baru?

O fruto, proveniente de uma árvore leguminosa que pode atingir até 15 metros de altura, é uma das favoritas da região dos cerrados de Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

O sabor do baru remete ao gosto do amendoim, mas também surpreende pela sua versatilidade e benefícios nutricionais, um equilíbrio entre uma textura crocante e um sabor robusto, enriquecido por sua alta concentração de proteínas e óleos graxos.

Seja em versão torrada para um snack saudável, transformado em paçoca, pé de moleque, rapadura ou em outras variações irresistíveis, você vai adorar o baru!

Pitomba

Cachos de pitomba amarrados em um bambu

Talvez você conheça a pitomba (Talisia esculenta) como olho de boi, pitomba da mata ou pitomba de macaco, afinal, essa árvore existe em várias regiões do Brasil, como na Caatinga, Amazônia, Mata Atlântica e, é claro, no Cerrado.

E aqui vai uma curiosidade: além destas regiões, ela também vive muito bem na Bolívia e no Paraguai. Bom, o fruto é proveniente da pitombeira, uma árvore que pode atingir mais de 10 metros de altura! Já o seu nome é originário do tupi, significa sopapo, bofetada ou chute forte. Se você está imaginando o motivo do significado “carinhoso”, é porque a pitomba se destaca por sua casca dura. Porém, ela é fácil de ser aberta e logo revela uma polpa fina, suculenta e doce, acompanhada por um caroço que ocupa a maior parte do conteúdo.

Quando madura, a casca adquire um tom marrom, enquanto a polpa permanece branca.

Com cerca de dois centímetros de diâmetro, as pitombas se agrupam em cachos e são ricas em vitamina C. Ainda, as sementes possuem propriedades obstipantes e são usadas como adstringentes, enquanto o chá das folhas é indicado para "dores de cadeira" e problemas renais.

Murici

Você precisa sentir o sabor adocicado do murici, uma fruta que, apesar de pequena em tamanho, conquista paladares em todo o país!

Com coloração amarelada ou alaranjada, o murici tem uma polpa espessa e uma única semente. Ah, e não se engane com o tamanho modesto do murici, viu? Pois ele é uma verdadeira potência em termos de nutrientes! Além de rico em cálcio, ferro, proteínas e vitaminas B1, B2 e C, o fruto não apenas agrada ao paladar, mas também contribui para uma alimentação mais equilibrada e saudável.

Além de ser consumido in natura, você vai encontrar ele em diversas preparações, como geleias, sorvetes, doces, compotas e até mesmo em farinhas. Ou seja: é impossível passar por Goiás e não experimentar o murici!

Jatobá

Frutos de Jatobá na árvore

Popularmente chamado de jatobá-do-campo e jatobá-da-serra, essa espécie de jatobá, encontrada no cerrado, apresenta uma árvore que pode atingir até nove metros de altura.

Essas delícias são bastante versáteis e ganham destaque na culinária local. Muitas vezes, são utilizadas na produção de mingaus, pães e bolos, adicionando um toque especial aos pratos tradicionais.

Além disso, o jatobá também marca presença em geleias e licores. Não deixe de experimentar! Se você está curtindo o turismo no cerrado, não deixe de curtir o sabor do jatobá. Com sua presença marcante na culinária regional, a fruta é uma experiência gastronômica que reflete a riqueza natural e cultural do cerrado.

Mangaba

Ta aí uma fruta pouco conhecida para quem é de fora da região, mas que vai te trazer uma super experiência na caatinga e no cerrado. Você precisa sentir o sabor azedinho da mangaba, fruto da mangabeira!

Originária da Caatinga, essa fruta faz muito sucesso nos sabores do cerrado. Enquanto passeia pela região, você certamente encontrará a mangabeira espalhada pela região, urbana ou rural. Não é atoa que a mangaba conquistou paladares por suas características marcantes e sua versatilidade na culinária. Em Goiás, assim como em estados do nordeste brasileiro, ela é amplamente utilizada na produção de sorvetes, doces, sucos e até mesmo bebidas alcoólicas!

Além de ser uma iguaria deliciosa, a mangaba também possui propriedades medicinais, sendo utilizada no controle da hipertensão. Suas folhas e cascas, comuns na medicina popular, são conhecidas por tratar diversos males, desde problemas renais até cólicas menstruais e gripe.

Se precisar, peça um chazinho de folha de mangaba que ele resolve quase tudo!

Ingá

Fruto do Ingá em uma fava aberta sobre uma mesa de madeira

O que acha de experimentar o pão do cerrado? É assim que o ingá do cerrado é conhecido!

A fruta encanta pelo seu sabor singular, e também se destaca pela versatilidade na culinária, conquistando os paladares mais exigentes.

O sabor lembra uma deliciosa mistura de banana, abacaxi e manga. Consegue imaginar?

E ela também é rica em nutrientes e vitaminas, sendo uma excelente opção para quem busca uma alimentação mais saudável e equilibrada. As suas propriedades medicinais não passam despercebidas, sendo uma fonte natural de fibras que contribuem para o bom funcionamento do intestino.

Você vai adorar experimentar de diversas formas: fresco, assado, cozido ou como ingrediente em variadas preparações culinárias, como em bolos, tortas, sucos, saladas ou em outras receitas. Só não dá para deixar passar a oportunidade!

Araticum

Essa fruta, com sua casca grossa e relevo peculiar, pode até não parecer tão apetitosa, mas não se engane! A árvore que dá origem ao fruto, com uma altura que varia entre 4 a 8 metros, cresce de maneira gradual, e somente após atingir os 2 metros de altura é que os frutos começam a surgir.

Você com certeza será surpreendido pela doçura da sua polpa e, embora seja delicioso consumi-lo in natura, a fruta também se destaca em diversas preparações, como doces, sorvetes e sucos.

Quer experimentar cada um destes sabores? Então aproveite  para visitar Goiás e venha conhecer Rio Quente!

Visão aérea do complexo de hoteis e piscinas do Rio Quente Resorts

Quantas dessas frutas do cerrado você já conhecia? Conta pra gente nos comentários!

E se você quer explorar muito mais dos sabores de Goiás, uma ótima opção é se hospedar no Rio Quente Resorts! Você vai encontrar pratos típicos - incluindo os que utilizam os frutos para dar aquele charme - além de piscinas naturalmente quentes e várias opções de lazer. Topa?

Você tira uns dias pra sair da rotina e deixa sua estadia com a gente. Sua experiência vai ser incrível, com atividades para todas as idades. Inclusive, aproveita para conhecer o Hot Park: um dos melhores parques de diversões do mundo.

É só fazer a sua reserva! Estamos esperando você com um arroz com pequi delicioso!

Quer falar com a gente?

É só nos chamar no WhatsApp ou telefone a qualquer hora!

Central de reservas

Capitais

4000-1449
(Para mais informações de Rio Quente e Costa do Sauipe, tecle 1 e para Hot Park, a opção 2)

Demais localidades

DDD + 4000-1449
(Para mais informações de Rio Quente e Costa do Sauipe, tecle 1 e para Hot Park, a opção 2)

Eventos